Livro: Oficina Brincando na Diversidade – Cultura na Infancia

Leia na íntegra o livro Oficina Brincando na Diversidade Cultura na Infancia – 2008. 

A Oficina Brincando na Diversidade – Cultura na Infância surgiu a partir do esforço da Rede Cultura Infância, uma rede virtual com mais de 2 mil associados, que procurou o Ministério da Cultura em 2007 com a proposta de criação participativa de uma política pública de cultura específica para a infância.

Link para livro completoLivro: Oficina Brincando na Diversidade Cultura na Infancia

APRESENTAÇÃO MINISTÉRIO DA CULTURA

A Cultura na Infância

O Ministério da Cultura assumiu, desde 2003, o compromisso de valorizar, divulgar, apoiar e reconhecer a diversidade cultural brasileira em todos os seus aspectos, tal como preconiza a Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade das Expressões Culturais, adotada pela Unesco e promulgada no Brasil em 2007.

Essa diversidade contempla as questões ligadas à inserção de toda a sociedade nas políticas públicas de cultura. Em sua primeira gestão, o Ministério da Cultura trabalhou com vários setores da diversidade étnica e sociocultural, como os indígenas, os ciganos, o segmento LGBT e os responsáveis pelas expressões das culturas populares. Nesta segunda etapa, estamos estendendo nossa ação para uma perspectiva de saúde como qualidade de vida, com portadores de sofrimento psíquico, trabalhadores e deficientes físicos, e, finalmente, para o recorte etário, por meio da elaboração e implementação de políticas para os idosos, os jovens e as crianças, lembrando que este segmento perpassa os demais grupos citados, pois existem crianças indígenas, crianças ciganas e assim por diante… Portanto, a questão da infância é transversal a todas as nossas ações.

A iniciativa de realização da Oficina Brincando na Diversidade – Cultura na Infância surgiu a partir do esforço da Rede Cultura Infância, uma rede virtual com mais de 2 mil associados, que procurou o Ministério da Cultura em 2007 com a proposta de criação participativa de uma política pública de cultura específica para a infância. A partir dessa demanda, demos início a um processo de construção colaborativa, utilizando uma metodologia que já havia sido aplicada na elaboração de outras políticas para segmentos como o das culturas populares, das pessoas em sofrimento psíquico e dos ciganos.

Nessa oficina, realizamos um diálogo e pensamos juntos sobre o que pode ser feito em termos de uma política pública específica para a cultura da infância que responda também às demandas apresentadas pelo Conselho Nacional da Infância e da Adolescência, no qual o Ministério da Cultura tem representação.

A ideia que permeou essas discussões foi a de trabalhar o tema da infância em abordagens que constituem três grandes eixos: o fomento, a memória e a comunicação. Temos consciência de que a criança é um agente dinâmico e ativo da sociedade. Nesse sentido, discutimos o consumo e a indução ao consumismo das crianças, inclusive no que diz respeito à alteração dos hábitos alimentares da população brasileira, e a influência da cultura de massa e dos meios de comunicação, fator que vem levando à perda dos jogos e das brincadeiras tradicionais. Igualmente importante como os jogos, existe também a questão dos espaços lúdicos, da expressão cultural da infância e do fazer cultural para a infância. Além desses temas, concluímos que a cultura digital para as crianças também deve ser objeto de uma política pública.

Outra tarefa importante que os participantes da oficina tiveram foi a de colaborar para a inclusão da cultura da infância nas diretrizes e ações do Plano Nacional de Cultura, que está tramitando no Congresso Nacional.

Agradecemos à Fundação Orsa pela parceria que não apenas nos possibilitou a realização desta oficina, como também a valorizou com sua experiência de dez anos na área da educação infantil, trabalho que tanto tem estimulado a evolução dessa temática em nosso país. Acreditamos que o conteúdo da oficina, aqui apresentado, poderá contribuir para estimular a participação de outros interessados e aprofundar o debate e a construção de uma política pública que fortaleça e valorize a identidade da infância brasileira e sua inserção no contexto da nossa diversidade cultural.

Juca Ferreira
Ministro da Cultura

Fortalecer e valorizar a identidade da infância

A ideia que permeou as discussões da Oficina foi a de trabalhar o tema infância em abordagens que constituem três grandes eixos: o fomento, a memória e a comunicação. A oficina contou com a participação de um grupo de 60 pessoas de diversas áreas como teatro, música, dança, circo, arte-educação, livro e leitura, audiovisual, internet, jogos e brincadeiras, espaços lúdicos e saúde, além de gestores do MinC.

Com a consciência de que a criança é um agente dinâmico e ativo na sociedade, discutimos o espaço dela e para ela, a universalidade do brincar e as dinâmicas locais, os conteúdos multimídia, os programas de televisão, a produção audiovisual e a internet. Esse processo foi instigante e estabeleceu um espaço de diálogo e de aprendizado para todos.

Foram apresentadas as sugestões centrais que estabelecerão conceitos para uma política para a infância e que certamente colaborarão para a inclusão da cultura na infância nas diretrizes e ações do Plano Nacional de Cultura que está tramitando no Congresso Nacional.

A SID se comprometeu também com a realização de oficinas regionais pelo país, eventos que possibilitarão a continuidade da reflexão sobre o tema.

Agradecemos à Fundação Orsa, ao Sesc/SP, e à Rede Cultura Infância pela parceria que não apenas nos possibilitou a realização da oficina, mas que também a valorizou com suas experiências na área da infância, e a todos os convidados que gentilmente dedicaram ao evento três dias de intenso trabalho.

Acreditamos que o conteúdo da oficina, aqui apresentado, poderá contribuir para estimular a participação de outros interessados e para aprofundar o debate e a construção de uma política pública por meio da qual poderemos fortalecer e valorizar a identidade da infância brasileira e sua inserção no contexto da nossa diversidade cultural e da agenda do MinC.

Américo Córdula
Secretário da Identidade e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura

 

Apresentação fundação Orsa
Os primeiros passos da construção de
um futuro justo e equilibrado

Os primeiros passos da construção de um futuro justo e equilibrado Esperançosos de uma sociedade melhor, nós, da Fundação Orsa, nos envolvemos neste importante projeto idealizado pelo Ministério da Cultura, por meio de sua Secretaria de Identidade e Diversidade, junto com a Rede Cultura Infância.

Preservar, apoiar e identificar o valor da diversidade da cultura nacional a partir de iniciativas desenvolvidas para crianças de todo o Brasil são essenciais para o enriquecimento e a promoção de um país mais justo e equilibrado. É o que a Fundação Orsa tem buscado nos últimos 15 anos por meio da construção colaborativa de ideias e ações concretas.

É exatamente por esta razão que procuramos participar ativamente de projetos como a Oficina Brincando na Diversidade – Cultura na Infância. A partir de experiências como essa, a Fundação Orsa aprende e compartilha conhecimentos diferenciados, troca informações e cria novas bases para o crescimento e consolidação de políticas públicas eficazes.

A produção a partir da oficina foi intensa e certamente vai gerar ótimos frutos para todos. As ideias centrais, presentes nesse material, vão colaborar para a inclusão da cultura da infância em um contexto nacional forte, ampliarão a discussão e serão responsáveis por promover e articular a cidadania e a formação de uma sociedade sustentável para todos. Esse é um dos compromissos da Fundação Orsa a partir de parcerias como essa.

O debate está aberto e precisa ser mais abrangente. Este é apenas o primeiro de muitos passos que serão dados rumo ao desenvolvimento de uma referência para uma infância legítima e igualitária.

Sergio Amoroso
Presidente da Fundação Orsa

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *